Quando o verde da soja traz preocupação

Quando o verde da soja traz preocupação

20 de abril, 2021

“Sementes com coloração intensa de verde, ou mesmo esverdeadas, geralmente apresentam elevados índices de deterioração, que podem levar à redução da germinação, do vigor e da viabilidade de lotes de soja”. A afirmação é da Embrapa Soja, que fez o alerta no começo de 2020 sobre a ocorrência de sementes com essas características na safra 2019/2020, superando o índice de 50% dos lotes analisados. A instituição chama a atenção ainda para que cuidados sejam tomados para evitar que produtores de sementes tenham prejuízos com esse elevado índice.

Mas o que causa esse esverdeamento na semente e como evitá-lo? José de Barros França Neto, pesquisador da Embrapa Soja, explica e aponta saídas que podem ajudar o produtor a driblar esse problema.

Sementes sem procedência

Os principais fatores que contribuem para a produção de sementes e grãos esverdeados estão relacionados a estresses bióticos e abióticos que podem ocorrer no campo, principalmente nas fases finais de maturação e em pré-colheita. Porém, o uso de sementes de média ou baixa qualidade fisiológica, por resultarem na emergência desuniforme de plantas em campo, pode ser causa indireta da produção de grãos e sementes esverdeados. No momento da maturação, essa variabilidade poderá resultar em desuniformidade de maturação: plantas maduras misturadas com plantas imaturas.

Com isso, é provável a necessidade da aplicação de dessecantes em pré-colheita, aumentando o risco de colher sementes ou grãos de soja esverdeados.

Fatores e precauções

Diversos fatores podem contribuir para a produção de sementes esverdeadas. Para evitá-las, alguns cuidados podem ser tomados:

1) Quando ocorrem períodos de secas associadas a elevadas temperaturas (acima de 30 0C), nas fases de enchimento de grãos e em pré-colheita, essas condições resultam na morte prematura das plantas e na maturação forçada das sementes. Com isso, ocorre a desativação das duas principais enzimas associadas com a degradação da clorofila (magnésio quelatase e clorofilase), resultando na produção de altos níveis de sementes esverdeadas. O bom manejo do solo, com adoção de práticas que preservem mais água em seu perfil, ajudará a evitar as consequências do estresse causado pela seca.

2) Outra prática de manejo que pode resultar nesse problema é a aplicação inadequada de dessecantes realizada antes do ponto ideal de aplicação (R7-maturidade fisiológica). Isso deve ser evitado, optando-se sempre por práticas corretas de dessecação em pré-colheita.

3) O bom manejo de doenças e de pragas de campo poderá reduzir a ocorrência de sementes esverdeadas. Doenças, quando mal manejadas, podem resultar nesse problema, como, por exemplo, a fusariose; a podridão radicular causada por macrofomina; doenças do colmo, como o cancro da haste; além de doenças foliares, como a ferrugem asiática da soja. O intenso ataque de insetos, principalmente de percevejos sugadores, pode também resultar no aparecimento desse problema.

4) Além desses fatores, deve-se levar em consideração a suscetibilidade genética dos genótipos de soja utilizados, uma vez que existem cultivares de soja que são mais suscetíveis que outros ao problema do esverdeamento.

Fonte e Foto: Revista Apasem/Everson Mizga

 

Comente pelo Facebook

Proluv
Top